Terça, 08 Junho 2021 23:38

OPERAÇÃO INTEGRADA: Quatro acadêmicos e um dentista são detidos em clínica odontológica irregular no Raiar do Sol

OPERAÇÃO INTEGRADA: Quatro acadêmicos e um dentista são detidos em clínica odontológica irregular no Raiar do Sol Ascom/Polícia Civil

Uma denúncia formalizada na Polícia Civil de Roraima pelo CRO (Conselho Regional de Odontologia) e que vinha sendo investigada há dez dias resultou na detenção de cinco pessoas nesta terça-feira (08), por exercício ilegal da profissão de odontologia. Eles atuavam numa clínica de grande porte, no bairro Raiar do Sol, que foi interditada pela Vigilância Sanitária.

A operação policial foi deflagrada por volta das 11 horas, na clínica odontológica, sendo coordenada pelo delegado titular do 1º DP (Distrito Policial), Clayton Ellwanger. O trabalho contou com a participação de policiais do 1º DP, 2º DP, peritos odontolegistas do IML (Instituto de Medicinal Legal) e CRO.

De acordo com informações prestadas pelo delegado Clayton Ellwanger, há dez dias os policiais civis, em conjunto com o Setor de Fiscalização do CRO, vinham investigando a denúncia de que alunos do curso de odontologia e que são estagiários, estariam atendendo numa clínica no bairro Raiar do Sol, de forma irregular, uma vez que não são formados e aptos a atuar na profissão de forma desassistida.

“Iniciamos as diligências para investigar o caso, desde o momento em que fomos procurados pelo CRO. Após a confirmação de que havia ilícitos no local, fizemos o flagrante, onde constatamos outras irregularidades, tais como reaproveitamento de materiais de uso único, descartáveis, como sugador e fio de sutura”, detalhou o delegado.

Segundo o delegado, havia mais de 30 pessoas no local durante a abordagem, entre os estudantes, o dono da clínica e pacientes.

“Após comprovar o flagrante, constatar o reaproveitamento do material e as condições sanitárias do local, acionamos a vigilância sanitária que realizou a inspeção e interditou a clínica”, disse o delegado.

DESDOBRAMENTO – De acordo com o delegado, 14 pessoas foram conduzidas ao 1º DP, entre funcionários, o dono da clínica e os pacientes atendidos pelos alunos. Foi lavrado contra os quatro estudantes um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) por crime previsto no artigo 282 do Código Penal Brasileiro, que trata do exercício ilegal da profissão de odontologia. Contra o dono da clínica também foi lavrado TCO pelo mesmo crime, mas por exceder o limite, conforme previsto no mesmo artigo. Todos eles vão responder ao procedimento em liberdade.

“Essa ação terá desdobramento, vez que estamos aguardando o resultado dos laudos e exames periciais. Caso os laudos confirmem as irregularidades que constatamos inicialmente, eles poderão ser indiciados, em inquérito por portaria, por outros crimes”, afirmou.


O delegado informou ainda que todo material encontrado irregular na clínica foi apreendido e servirá de provas durante a instrução processual.

“Com o desenrolar das investigações, o resultado dos laudos periciais, os envolvidos podem ser enquadrados nos artigos 132 (levar perigo para a vida ou saúde de outrem), 273 (falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais), 288 (formação de quadrilha – associar-se mais de três pessoas, para fim de cometer crimes); 29 (concurso de pessoas) e 71 (crime continuado), todos previstos no Código Penal Brasileiro”, concluiu.