Terça, 14 Janeiro 2020 15:51

Acusado de matar aposentado para roubar é preso em flagrante

 

ASCOM/PCRR

Policiais militares prenderam em flagrante na manhã desta sexta-feira, dia 10, o desempregado W. S. D. S., de 26 anos, acusado do latrocínio (matar para roubar) do aposentado Antonio Nunes dos Santos, de 63 anos. O acusado está sendo autuado em flagrante na DGH (Delegacia Geral de Homicídios), unidade Policial que investiga o crime. O latrocínio aconteceu na noite de ontem, dia 09, na casa da vítima, localizada à Rua Jaçanã, no bairro Jardim Primavera.

De acordo com informações prestadas pelo delegado titular da DGH, Cristiano Camapum, logo após a notícia do crime, policiais civis e militares estiveram no local. Peritos do Instituto de Criminalística e do Instituto de Identificação também realizaram levantamento no local.

Foi constatado que a vítima estava com as mãos amarradas e o corpo foi encontrado no quintal de sua casa, na Rua Jaçanã, no bairro Jardim Primavera.

Uma mulher identificada por J. A. P., de 24 anos, foi apresentada na Central de Flagrante suspeita do crime. Entretanto, ela negou sua participação e não foram encontrados indícios naquele momento para mantê-la presa em flagrante pelo crime contra o aposentado. A mulher, entretanto, foi mantida presa porque contra ela havia um mandado de prisão, decorrente de um processo do ano de 2016, em que é apontada como autora de um homicídio.

“Ela era conhecida da vítima e por causa de suas condutas anteriores, foi apontada como suspeita. Ela negou, mas indicou o namorado dela como possível suspeito”, disse o delegado Camapum.

Diligências foram realizadas durante a noite e madrugada para localizar o namorado de J. P, apontado como sendo W. S. D. S.. Na manhã de hoje ele foi localizado e preso por uma guarnição da Polícia Militar e apresentado na DGH.

Durante seu interrogatório, o acusado confessou o crime e afirmou que a namorada teve participação. O acusado confessou que foi até a casa do idoso, por que obteve informações da namorada de que a vítima era idosa, morava sozinha, tinha dinheiro e seria um alvo fácil para ser roubada.

“Durante a noite o acusado, juntamente com a namorada foram até a casa da vítima e jogaram pedras no telhado, no intuito de que a vítima saísse de dentro da casa para ser abordada por eles. A vítima saiu da casa para averiguar o que estava ocorrendo, mas tinha em seu poder um pequeno canivete. Provavelmente para usar como defesa. Ocasião em que foi abordada pelo acusado”, conta delegado.

O casal estava junto para a prática do roubo, segundo disse o acusado. A intenção deles era roubar os objetos para serem trocados por drogas. O acusado disse que a vítima reagiu quando o abordou e chegou a lhe fazer um corte na mão com o canivete.

“Ele disse que travou uma luta corporal com a vítima, que chegou a lhe cortar com o canivete. Por isso, ele lhe aplicou um “mata leão” e conseguiu dominar o aposentado e depois o matou estrangulado com uma camisa”, disse o delegado.

A acusada J. P. estava juntamente com o namorado, mas, segundo ele, não matou o aposentado. Durante a luta entre os dois, a mulher entrou na casa e separou os objetos a serem levados. Trata-se de uma caixa de som, uma botija de gás de 13kg e um telefone celular.

Após matar o aposentado, o acusado disse que jogou o corpo dele em um banheiro em construção que fica no quintal da casa da vítima.

O casal levou os objetos, segundo o acusado, para serem trocados em uma boca de fumo, o que lhes rendeu aproximadamente R$ 60 em pasta base, que foi usada por eles em uma vila localizada à Rua Flamboyant, no bairro Jardim Primavera.

W. S. D. S., tem passagens na polícia por crime de furto. Ele foi autuado em flagrante pelo crime de Latrocínio e será encaminhado para Audiência de Custódia.

A acusada J. P. será indiciada pelo crime de latrocínio no procedimento lavrado pela DGH. O APF tem um prazo de dez dias para ser relatado e o delegado Cristiano Camapum vai representar pela prisão preventiva dela, em relação à morte do aposentado Antonio Nunes.