Quarta, 11 Dezembro 2019 18:33

Delegacia Geral assina acordo de cooperação técnica para atendimento de saúde a policiais civis

Assinado na tarde desta terça-feira, 10, acordo terá vigência de 24 meses; os serviços serão prestados a partir de janeiro de 2020 Assinado na tarde desta terça-feira, 10, acordo terá vigência de 24 meses; os serviços serão prestados a partir de janeiro de 2020 Ascom/Polícia Civil

Prover atendimento médico clínico e especializado quinzenal aos policias civis é o principal objetivo do Termo de Cooperação Técnica assinado na tarde desta terça-feira, dia 10, entre a Delegacia Geral da PCRR (Polícia Civil de Roraima), Sesp (Secretaria Estadual de Segurança Pública) e a Sesau (Secretaria Estadual de Saúde).

O Termo de Cooperação Técnica foi assinado pelo delegado geral da Polícia Civil, Herbert de Amorim Cardoso, o secretário de Segurança Pública em exercício, Rômulo Saraiva, e o secretário adjunto de Saúde, Francisco Monteiro. De acordo com o documento, a Sesau irá disponibilizar de uma equipe composta por um médico clínico geral, um cardiologista, um ortopedista, um ginecologista, um fisioterapeuta, um enfermeiro ou técnico em enfermagem e um psicólogo para atendimentos quinzenais aos policiais civis.

A Sesp cedeu o espaço para a realização dos atendimentos na Apics (Academia de Polícia Integrada Coronel Santiago) a cada 15 dias. O termo estabelece ainda o agendamento de consultas regulares aos servidores que apresentem quadro clínico e que necessitem de acompanhamento profissional.

De acordo com o secretário adjunto da Saúde, Francisco Monteiro, será realizado inicialmente uma reunião conjunta para estabelecer todo um cronograma ao longo dos meses, para que os serviços sejam prestados a partir de janeiro de 2020, iniciando com a ficha de saúde de cada um dos servidores.

“Primeiro, queremos parabenizar a iniciativa do delegado geral por esse projeto, em que a partir de agora a Sesau passa a ter uma programação junto aos policiais. A partir da ficha de saúde dos policiais, faremos a identificação das patologias ou dos quadros de prevenção e tratamento, para que possamos fazer uma programação ao longo do tempo”, destacou.

Segundo Monteiro, o percurso inicia com uma avaliação que servirá como parâmetro para analisar a evolução do trabalho. “Lembrando que esse trabalho vai atingir aquele que serve à comunidade, ou seja, o policial que muitas vezes não tem a condição de ter o acesso ou tempo adequado para tratar da sua saúde, uma condição que vai desde a saúde mental, saúde física e o zelo preventivo para evitar as doenças, como cartão de vacinação, seus exames de manutenção, sobrepeso ou as situações curativas ou de reabilitação”, disse.

O secretário adjunto destacou também que a Sesau passa a fazer esse acompanhamento, não apenas restringindo de forma diferenciada, mas reconhecendo a condição laboral dos profissionais da PCRR.

O delegado Geral, Herbert de Amorim Cardoso disse que, ao assumir a instituição, percebeu que havia uma reclamação muito grande por parte dos policiais em relação à falta de atenção básica de atendimento médico voltado a esses profissionais pela PCRR.

“O policial tem uma das profissões mais estressantes, trabalha muito e tem pouco tempo para buscar um atendimento médico. Quando assumimos a Delegacia Geral, os policiais vinham de uma situação estressante, em que passaram mais de quatro meses sem salários, muitos com dificuldades financeiras e problemas de saúde. Ao longo desses anos, tivemos policiais que sofreram acidente vascular cerebral, infartos e até mesmo que cometeram o suicídio. Então, iniciamos um trabalho, pequeno, dentro das condições que encontramos e, aos poucos, estamos buscando valorizar o nosso policial. São profissionais que precisam de atendimento especializado e diferenciado”, afirmou Cardoso.

Ainda de acordo com o delegado geral, haverá um atendimento prioritário de apoio psicológico mensal aos servidores que trabalham nas unidades policiais de atendimento às mulheres, crianças e adolescentes vítimas. “Nesse caso específico, já temos um núcleo no Centro de Qualidade de Vida na Academia de Polícia. Mas com esse Acordo de Cooperação Técnica, vamos reforçar ainda mais esse atendimento psicológico aos policiais, inclusive aos familiares”, disse.

Além disso, Cardoso anunciou que serão realizadas, conjuntamente, palestras, cursos e seminários voltados para assistência à saúde, para que os policiais civis recebam a orientação e a execução de exercícios preventivos de doenças laborais.

“Nós sabemos da necessidade de atendermos nossos policiais. É uma iniciativa que será ampliada no futuro, mas que no momento visa priorizar, de forma preventiva, esses profissionais que ao longo desses quase 16 anos vêm se doando à sociedade e que necessitam do nosso apoio”, disse.

O secretário em exercício da Segurança Pública, Rômulo Saraiva, destacou a iniciativa da Delegacia Geral e falou da importância de valorização aos policiais civis.

SERVIDOR - O diretor do IML (Instituto Médico Legal), o odontolegista Rodrigo Ivo Matoso, que participou da reunião, disse que esse serviço prestado aos policiais vai melhorar a qualidade de vida do servidor.

“Com isso, teremos uma melhora na qualidade de vida do servidor, principalmente do ponto de vista preventivo. Esse acordo entre a Polícia Civil, a Secretaria de Segurança e a Secretaria de Saúde é muito importante, pois não se trata de um serviço privilegiado, mas na verdade diferenciado, que tende a causar melhora na vida dos servidores policiais junto à sua própria família e nas unidades onde exerce seu trabalho”, disse.