Terça, 29 Outubro 2019 16:54

Peritos do Instituto de Criminalística coletam material biológico de detentas da Cadeia Feminina

Peritos do Instituto de Criminalística da Polícia Civil realizaram nesta terça-feira (29) a primeira etapa de coleta de DNA das reeducandas da Cadeia Feminina. Ao todo, 40 internas passaram pelo processo que é indolor e voluntário. A Lei 12.658/12 prevê a coleta do material genético de condenados por crimes hediondos ou de natureza grave contra a pessoa. Até o momento, 207 reeducandos do Sistema Prisional de Roraima tiveram o material biológico coletado.
O processo consiste na coleta da saliva dos detentos da unidade prisional através de um “suabe” (uma espécie de cotonete grande), que é passado na bochecha (interna) dos reeducandos. Essa saliva posteriormente será processada onde vai ser retirado o perfil genético dos presos para alimentar o banco de dados Nacional como explicou o diretor do Instituto de Criminalística Sttefani Ribeiro.
“O material biológico é coletado e previamente estudado. Nós extraímos o perfil genético em laboratório e subimos para o banco Nacional para comparação de vestígios. A partir do momento que essa pessoa cometer outro delito e o perfil genético for coletado no local do crime, será comparado com o Banco Nacional dando mais agilidade na identificação”, disse.
O secretário de Segurança Pública coronel Olivan Junior destacou o trabalho feito pela pasta para cumprir as exigências do Ministério da Justiça. De acordo com Junior, além da coleta do material biológico dos presos, outras metas estão sendo cumpridas sinalizando ao Governo Federal que Roraima está alinhado para uma melhor segurança pública.
“Estamos num caminho muito bom. A gente vai ter a votação do Fundo Estadual de Segurança Pública, da Política Estadual de Segurança Pública e do Conselho Estadual de Segurança Pública para nos alinharmos com o Ministério da Justiça”, afirmou.