Quarta, 04 Setembro 2019 19:47

Roraima ganha Laboratório Forense de DNA para análise criminal

Roraima ganha Laboratório Forense de DNA para análise criminal Ascom/Polícia Civil

Esclarecer crimes por meio de exame de DNA, já é uma realidade em Roraima, após a inauguração do Laboratório de Genética Forense que aconteceu na tarde desta terça-feira, dia 03. O coordenador nacional da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG), Guilherme Jacques, participou do evento representando o Ministério da Justiça.
No Brasil, 22 Estados já dispõem do Laboratório de Genética Forense e a meta do Governo Federal é interligar todo o país em um grande banco de dados por meio desses Laboratórios. A tecnologia é considerada fundamental pela ciência, para solucionar crimes com mais celeridade e segurança, por meio de técnicas de genética e biologia molecular através da análise do DNA.

A inauguração aconteceu no Comando do Corpo de Bombeiros, pelo secretário de Segurança Pública, coronel Olivan Junior, que representou o governador Antonio Denarium e, o delegado Geral da Polícia Civil, Herbert de Amorim Cardoso.O Laboratório de Genética Forense será administrado pelo IC (Instituto de Criminalística).

O projeto de instalação do Laboratório Forense faz parte de um convênio da SENASP (Secretaria Nacional de Segurança Pública) do MJ (Ministério da Justiça) com o Governo de Roraima, por meio da SESP (Secretaria de Estado da Segurança Pública) que fez a doação e instalação de todos os equipamentos para o laboratório e treinamento de manuseio aos peritos.Foram investidos aproximadamente de R$ 3,5 milhões na aquisição de equipamentos para a implantação definitiva do laboratório em Roraima.

O diretor do IC, Sttefani Ribeiro, destacou a parceria com o Corpo de Bombeiros, através de um acordo de cooperação mútua, para o funcionamento do Laboratório Forense. Segundo ele,os peritos passaram por capacitação e estão aptos a atuar no Laboratório.
GESTORES - Para o delegado Geral de Polícia, Herbert de Amorim Cardoso, fortalecer o Sistema de Segurança Pública em Roraima, dando suporte às investigações e à Justiça, é uma das metas principais da Polícia Civil. Ele destaca que com a implantação do Laboratório Forense de DNA, o Estado terá uma redução de custos em até 412% e o laudo, que levava até oito meses para ser realizado, poderá ser concluído em até 10 dias.
“A economia e a celeridade no atendimento às demandas, resultarão na melhor prestação de serviço à sociedade. Os peritos terão a capacidade de atestar, com 100% de certeza, a autoria de determinado delito e de identificar pessoas que tenham sido mortas e que devido às condições em que o corpo foi encontrado, nunca foram identificadas”, destacou.

Cardoso observa que sem o laboratório, se fossem feitas viagens regulares para a realização dos exames, o prazo médio seria de oito meses. Como as viagens não são regulares há casos esperando há uns 14 anos por uma solução.

“A meta é fortalecer os métodos de investigação criminal que darão suporte nas investigações policiais e à Justiça”, disse o delegado.

Para o secretário de Segurança Pública, coronel Olivan Junior a genética forense é atualmente um dos mais importantes instrumentos para identificação de autoria delitiva.
Ele destaca que com a instalação do Laboratório Forense será possível entre outras coisas, a agilidade nos procedimentos investigatórios, economia, segurança jurídica, sem o embargo da vinculação direta do aumento dos repasses financeiros do Governo Federal ao Sistema de Segurança Pública estadual.

“Com essa ação, Roraima poderá se credenciar a fazer parte do Banco de Perfil Genético Nacional doado pelo FBI ao governo Brasileiro, o que representa pesquisas de perfis genéticos de criminosos em nível nacional diretamente pelos peritos criminais do Estado”, destaca.

Outro ponto de suma importância, segundo o secretário de Segurança Pública é a maior rapidez para liberação de corpos por parte do IML (Instituto Médico Legal).
“Principalmente nos casos em que não são possíveis a liberação do corpo, devido a falta de exame de DNA, vez que nem sempre a identificação é possível por fragmentos papilares ou arcada dentária”O coordenador nacional do Banco de Perfis Genéticos, Guilherme Jacques, destaca que a implantação do laboratório em Roraima é um grande avanço não somente para Roraima, mas para o Brasil.

“Até o final do ano, acreditamos que todo o País esteja integrado e Roraima entra nesse contexto de integração nacional. Como o DNA pode ser codificado e facilmente armazenado em banco de dados permitindo essa integração nacional, torna-se possível a identificação de um criminoso que atua em um Estado e depois migra para outro. A prova do DNA é considerada como padrão ouro nas ciências forenses, pois se trata de uma tecnologia que se desenvolveu nas universidades e é utilizada em pesquisas científicas, que se robusteceram ao longo dos anos para atestar com segurança se uma pessoa é ou não inocente. É uma grande aliada das Polícias e da Justiça”, afirmou.