Quarta, 29 Maio 2019 16:26

INCLUSÃO SOCIAL - Curso de libras ajudará policiais a humanizar atendimento

Traduzida simultaneamente por uma interprete de libras, a cerimônia de abertura do Curso de Abordagem para Pessoas Surdas, contou, na manhã desta terça-feira, dia 28, com a presença de representantes de todas as esferas da segurança pública que atuam em Roraima.

Realizado pelo Governo do Estado por meio da APICS (Academia de Polícia Integrada Coronel Santiago), a capacitação visa instruir os agentes de segurança para um atendimento humanizado e diferenciado às pessoas surdas. "Em todos esses anos de polícia no Estado, nunca houve um curso específico para o atendimento policial à pessoas surdas”, disse em seu discurso de abertura a diretora da APICS, delegada Giuliana Castro.

“É nossa obrigação, como academia e Estado, nos adequar para o melhor atendimento a essas pessoas. É mais que uma honra saber que estamos dando esse pontapé inicial rumo a mais inclusão, de forma integrada com todas as forças de segurança de Roraima”, afirmou Castro.

No total, 20 profissionais de segurança pública, como policiais civis, militares, federais, rodoviários federais, guardas civis municipais e outras instituições de segurança, participam desta primeira capacitação.

Durante o curso, os policiais serão capacitados nas seguintes disciplinas: legislação aplicada à pessoa com deficiência, aspectos legais de abordagem policial, conhecimentos básicos de Linguagens Brasileira de Sinais, noções de abordagem policial, comandar em Libras para abordagem policial e prática de abordagem policial a pessoa surda.

O delegado Geral de Polícia, Herbert Cardoso, também esteve no evento e ressaltou que a capacitação vai melhorar o atendimento nas delegacias. “Após esse curso, essa parcela da população será interpretada de forma correta dentro das nossas delegacias, prestando um serviço efetivo e de qualidade para eles”, concluiu.

Conforme o comandante da Polícia Militar, coronel Elias Santana, a qualificação é essencial para o atendimento. “Eu tenho dito que a essência de fazer Polícia bem feita é a busca constante pela qualificação. Este curso é de uma importância ímpar, porque muitas vezes uma abordagem pode ser malsucedida pela simples falta da capacidade de verbalização e argumentação do policial com o abordado. Essa é uma tentativa concreta de atingirmos esse público e fazer uma melhor abordagem com particularidade e respeito a cada ser humano”, concluiu.

CURSO - A ideia de uma capacitação específica para o atendimento de pessoas surdas surgiu em 2016, após um trabalho de Conclusão de Cursos de Formação de Oficiais, apresentado pelo 1º tenente Frankeslane Sampaio Barbosa. À época, ele propôs o manual de abordagem para pessoas com surdez.

Ainda segundo Giuliana Castro, foi identificada a dificuldade no atendimento às pessoas com surdez nas unidades policiais, por falta de capacitação dos profissionais de segurança a esse público específico. “Pela natureza de sua atividade, o policial tem o dever de estar preparado para atuar em quaisquer atividades, estando envolvidas ou não as pessoas com deficiência.

O trabalho conta com uma parceria da Seed (Secretaria de Educação e Desporto) e PMRR (Polícia Militar de Roraima). Ao final da capacitação, os profissionais de segurança vão adotar o Manual Específico de Orientações de Abordagem Policial à Pessoa Surda, como ferramenta de consulta, caso ocorra alguma dúvida durante a abordagem policial.


ASCOM PCRR